Riscos de segurança da mineração de criptografia: O que precisa de saber foto
Início > Blog > Um guia para os riscos da mineração de criptografia: O que precisa de saber

Um guia para os riscos da mineração de criptografia: O que precisa de saber

11003 min. para ler

    A mineração de criptomoedas pode ser uma oportunidade atraente para entusiastas e investidores que buscam participar da economia digital descentralizada. No entanto, é essencial entender os riscos associados antes de mergulhar no mundo da mineração. Sem uma devida diligência geral, não é recomendável iniciar a mineração, pois envolve muitos riscos diferentes, que discutiremos mais adiante.

    Compreender os riscos da mineração de criptomoedas


    Para mitigar os riscos da mineração de criptografia, precisamos entender como ela funciona em detalhes. Desde a aquisição de equipamentos de mineração até a distribuição de recompensas de mineração para carteiras, a mineração de criptografia envolve um conjunto de requisitos técnicos que um usuário deve cumprir.  

    Infecções por malware


    O malware de criptografia é um software malicioso concebido especificamente para visar carteiras digitais e bolsas de criptomoedas, com o objetivo de adquirir criptomoedas de forma ilícita. Este tipo de malware infiltra-se no computador ou dispositivo de um utilizador para aceder à sua carteira digital ou conta de câmbio. Assim que o malware obtém acesso não autorizado, executa várias actividades nefastas.
    O malware de criptografia representa uma ameaça significativa para indivíduos e organizações envolvidos no espaço da criptomoeda. Pode resultar em perdas financeiras, violações de dados e outras consequências adversas.

    Riscos de sobreaquecimento


    Os perigos de sobreaquecimento na exploração mineira representam riscos significativos para os mineiros de criptomoeda e para o seu equipamento. 
    As operações de mineração contínuas geram calor substancial, o que pode causar o sobreaquecimento de componentes de hardware como CPUs, GPUs e ASICs (Application-Specific Integrated Circuits). 
    Temperaturas elevadas podem prejudicar o desempenho e a eficiência do hardware de mineração, levando à diminuição das taxas de hash e à diminuição da rentabilidade da mineração. 
    O sobreaquecimento do hardware de exploração mineira requer frequentemente medidas de arrefecimento adicionais, como o aumento da velocidade das ventoinhas ou sistemas de arrefecimento suplementares, para manter as temperaturas de funcionamento ideais.

    Aumento dos custos de eletricidade


     As operações de exploração mineira requerem energia significativa para alimentar o equipamento, a ventilação, o processamento e outros sistemas. A energia pode representar 10-40% dos custos operacionais das minas. Com a volatilidade dos preços dos combustíveis fósseis e a subida das taxas de eletricidade, os custos de energia tornaram-se um ponto de dor significativo para a indústria. O aumento das despesas energéticas tem um efeito cascata na economia mineira. É necessário afetar mais capital para cobrir estes custos, deixando menos disponível para a exploração, a modernização do equipamento ou o desenvolvimento de novas minas. Para se manterem rentáveis, algumas minas têm de se concentrar apenas nos seus depósitos de maior qualidade. Este facto diminui a vida útil das reservas e a sustentabilidade a longo prazo.


    Riscos legais e regulamentares


    A mineração de criptomoedas é legal na maioria dos países e, geralmente, não é necessária uma autorização especial para o fazer. No entanto, uma vez que requer grandes quantidades de eletricidade, os activistas sociais estão a levantar preocupações em todo o mundo relativamente às emissões de carbono e à poluição ambiental.
    Assim, alguns países propuseram regras e regulamentos rigorosos em relação à mineração de criptografia para minimizar os impactos ambientais. Além disso, uma vez que os golpes de mineração de criptografia são relatados predominantemente em alguns países, os governos estão ansiosos para definir leis, padrões de segurança e regras dentro do reino da mineração de criptografia para proteger os investidores de serem vítimas de tais golpes.

    A ameaça dos esquemas Ponzi


    Um esquema Ponzi é um tipo de fraude financeira em que os investidores anteriores são pagos com os fundos trazidos por novos investidores. Assim, o esquema perpetua a aparência de lucratividade enquanto novas vítimas aderirem em número suficiente.
    Estes esquemas existem nas criptomoedas e em qualquer outro sector da economia.
    Embora seja verdade que a correlação entre os ativos digitais e os mercados de ações é geralmente mais significativa do que nos primeiros anos das criptomoedas, devemos considerar a contribuição dos ativos mais arriscados (por exemplo, ações de crescimento) para a inovação e o crescimento económico.
    Portanto, para evitar esses casos, precisamos fazer a devida diligência antes de entrar em qualquer processo de mineração ou investimento.

    A mecânica do cryptojacking


    Os scripts de cryptojacking, muitas vezes incorporados em sítios Web ou anúncios maliciosos, obtêm acesso ao dispositivo da vítima através de cliques insuspeitos ou de software vulnerável. Uma vez infiltrados, esses scripts executam um código que aproveita o poder de processamento do dispositivo para resolver equações matemáticas complexas, conhecidas como mineração de criptomoedas.

    Explicação do cryptojacking


    O cryptojacking consiste no facto de os hackers utilizarem o poder de computação de um dispositivo comprometido para gerar ou "minerar" criptomoedas sem o conhecimento do proprietário. A mineração pode ser efectuada através da instalação de um programa malicioso no computador alvo ou através de vários malware sem ficheiros. Por vezes, os atacantes apoderam-se de parte do poder de processamento do computador do computador quando uma página que contém um determinado script de mineração é é aberta. Sabe-se que o cryptojacking ocorre durante a visualização de anúncios anúncios on-line ou ao resolver um CAPTCHA.

    A prevalência do Monero no cryptojacking


    Recentemente, os cibercriminosos mudaram o seu foco de infetar máquinas de utilizadores finais para visar serviços na nuvem. Esta mudança de estratégia é impulsionada por vários factores, incluindo a preferência pelo Monero (XMR) como a criptomoeda de eleição para actividades de mineração ilícitas.
    O Monero oferece os maiores retornos para a mineração de CPU em comparação com outras criptomoedas. Isto torna-o uma opção atractiva para os cibercriminosos que procuram maximizar os seus lucros com as operações de mineração. Além disso, muitos serviços de nuvem devem conceder acesso à unidade de processamento gráfico (GPU) e aos recursos de um computador convencional, limitando os mineradores a utilizar apenas a unidade de processamento central (CPU) para fins de mineração.

    Como é que o Malware de Cryptojacking se espalha


    Os cibercriminosos empregam várias tácticas para instalar software de cryptojacking nos dispositivos de vítimas insuspeitas, permitindo-lhes minerar discretamente criptomoedas ou roubar carteiras de criptomoedas. As vítimas podem continuar a utilizar os seus dispositivos como habitualmente, mas notam um desempenho mais lento ou atrasos. Os piratas informáticos utilizam normalmente dois métodos principais para minerar sub-repticiamente criptomoedas:

    Links maliciosos em e-mails: Os cibercriminosos podem enviar e-mails de phishing contendo links maliciosos 
    contendo links maliciosos para potenciais vítimas. Ao clicar no link, o computador da vítima carrega o código de mineração de criptografia, que é executado em segundo plano sem o seu conhecimento. 

    Websites infectados ou anúncios online: Outro método envolve a infeção de sítios Web legítimos ou 
    anúncios online com código JavaScript concebido para ser executado automaticamente quando carregado no navegador da vítima. 

    Estratégias para evitar o malware e o cryptojacking


    Para se proteger contra o cryptojacking e outras ameaças à segurança cibernética, siga estas medidas proactivas:

    Implemente um software de cibersegurança abrangente: Invista num programa de cibersegurança robusto como o Kaspersky Total Security, que oferece capacidades abrangentes de deteção de ameaças, incluindo proteção contra malware de cryptojacking. 

    Mantenha-se informado sobre as tendências do cryptojacking: Os cibercriminosos adaptam continuamente as suas tácticas e desenvolvem novos métodos para implementar malware de cryptojacking. Mantenha-se informado sobre as últimas tendências de segurança cibernética para reconhecer e mitigar prontamente as possíveis ameaças.

    Utilizar extensões do browser para proteção contra o cryptojacking: Instale extensões de browser para bloquear a execução de scripts de crypto-jacking no seu browser. Extensões populares como minerBlock, No Coin e Anti-Miner podem detetar e prevenir eficazmente actividades de mineração de criptografia não autorizadas enquanto navega na Internet.

    Utilizar bloqueadores de anúncios: Uma vez que os scripts de cryptojacking são frequentemente entregues através de anúncios online, considere instalar um bloqueador de anúncios como o Ad Blocker Plus para evitar que estes anúncios sejam carregados no seu navegador. 
    Considere desativar o JavaScript: Desativar o JavaScript no seu browser pode impedir que o código de crypto-jacking seja executado no seu dispositivo. No entanto, esta abordagem também pode limitar a funcionalidade de determinados sites e aplicações Web que dependem do JavaScript. 

    Conclusão


    Existem muitos riscos associados à mineração de criptomoedas. Ao realizar as devidas diligências antes da mineração e ao adotar estas medidas proactivas de cibersegurança, pode reduzir o risco de ser vítima de ataques de crypto-jacking e proteger os seus dispositivos e dados da exploração não autorizada por cibercriminosos. Lembre-se de dar prioridade às melhores práticas de segurança, manter-se informado sobre as ameaças emergentes e atualizar regularmente as suas defesas de cibersegurança para se manter à frente da evolução das ciberameaças.

    Avatar

    Eugen Tanase

    Diretor de Operações, 1BitUp

    Eugen Tanase é Diretor de Operações da 1BitUp. Ao longo da sua longa carreira em Gestão Empresarial, ganhou muita experiência em Projectos de Energias Renováveis, Comércio Transnacional de Recursos Energéticos, e muitos outros campos. A partir de 2015, ele entrou no estudo de Aplicativos Descentralizados e Blockchain junto com o Bitcoin mainstream. A partir de 2017, abraçou a WEB3 e a mineração em nuvem.

    0

    0 comentários

    Posts populares

    Posts populares